São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Brasil
Maio 29, 2018 - 10:07

Temer defende diálogo e diz que direitos devem ser preservados

Para o presidente, os assuntos tidos como fundamentais serão levados em conta pelos eleitores brasileiros

Para o presidente, os assuntos tidos como fundamentais serão levados em conta pelos eleitores brasileiros

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Discurso foi feito na manhã desta terça-feira (29), durante a cerimônia de abertura do Fórum de Investimentos Brasil 2018, em São Paulo

Agencia Brasil

No momento em que o país enfrenta o nono dia de paralisação dos caminhoneiros, o presidente da República, Michel Temer, destacou hoje (29) a importância do diálogo para a democracia e disse que quando "alguns" ameaçam não querer o diálogo e parar o Brasil, é preciso exercer "a autoridade" para preservar os direitos da população.

Temer discursou, nesta terça-feira, na cerimônia de abertura do Fórum de Investimentos Brasil 2018, em São Paulo.

"O diálogo é da própria essência da política e da democracia. É, aliás, sua fortaleza. Quando alguns rejeitam o diálogo e tentam parar o Brasil, exercemos a autoridade para preservar a ordem e os direitos da população, mas antes disso, um diálogo é fundamental, leve quanto tempo levar", disse.

Temer acrescentou ainda que alguns confundem a vocação para o diálogo com eventual leniência política e que, na verdade, é exatamente o oposto.

REFORMA DA PREVIDÊNCIA.

O presidente declarou que, apesar de ter saído da pauta legislativa, a reforma da Previdência continua na agenda política. "Ninguém chegará ao fim deste ano, ou do ano que vem, sem realizar a reforma previdenciária. Por isso, as próximas eleições serão distintas das que tivemos desde a redemocratização."

Para o presidente, os assuntos tidos como fundamentais serão levados em conta pelos eleitores brasileiros. "[Eles exigirão] posições claras, planos de governos, propostas concretas e resultados", disse. "Os brasileiros vão querer saber se os candidatos se comprometerão com o equilíbrio fiscal ou se aceitaram inflação alta e juros elevados", acrescentou o presidente.

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO