São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Economia
Janeiro 30, 2018 - 16:32

Akaer visa dobrar faturamento anual para R$ 100 milhões e expandir aquisições

A Sueca Saab adquiriu 25% das ações da Akaer, empresa sediada em São José dos Campos

A Sueca Saab adquiriu 25% das ações da Akaer, empresa sediada em São José dos Campos

Foto: Rogério Marques/OVALE

"A crise traz muitos problemas, mas também oportunidades para quem está bem posicionado ampliar seu portfólio tecnológico", afirmou o presidente da Akaer, Cesar Augusto da Silva

Danilo [email protected]_
São José dos Campos

Parceira da sueca Saab, a Akaer, empresa brasileira sediada em São José dos Campos, vem absorvendo conhecimentos importantes no desenvolvimento de aeroestruturas para o caça supersônico Gripen, que foi vendido para a FAB (Força Aérea Brasileira).  

A Saab adquiriu 25% das ações das ações da Akaer, que adquiriu a Optoelectrônica, de São Carlos, e a Equatorial, de São José dos Campos. "A melhor maneira de você agregar novas tecnologias é diversificar seu portfólio de produtos com o crescimento interno ou adquirindo empresas com currículo", disse a OVALE o presidente da Akaer, Cesar Augusto da Silva, que visa ampliar as aquisções.

Com a diversificação de tecnologias através da compra de novas empresas e a internacionalização da marca, a Akaer tem a expectativa de dobrar o faturamento este ano e passar dos R$100 milhões brutos.

"A crise traz muitos problemas, mas também oportunidades para quem está bem posicionado ampliar seu portfólio tecnológico", ressaltou.

Sobre as negociações em curso entre a Boeing e Embraer, Silva acredita que seja positiva em termos de mercado, para enfrentar a concorrência mundial.

ESPECIALISTA. 

No caso da Akaer, empresa sediada no Parque Tecnológico em São José dos Campos, o professor de economia da Universidade Estadual de Campinas, Marcos Barbieri, que é especialista no setor aeroespacial e defesa, analisa que as aquisições e parcerias foram positivas.

"A Saab está subordinada aos sócios brasileiros. É uma empresa que foi bem vinda, e não colocou a Akaer em uma posição de subordinação. Vejo com muito bons olhos. Além de ter adquirido duas empresas de alta tecnologia, que estavam em situação financeira complicada. Houve um fortalecimento".

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO