São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Brasil
Janeiro 16, 2018 - 23:47

Marun admite que ainda não tem votos suficientes

Marun

Otimista. O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, aposta na aprovação da nova previdência

Foto: /Wilson Dias/Agência Brasil

Ministro da Secretaria de Governo, porém, afirma que terá o número suficiente até o próximo dia 19 de fevereiro, que é a data marcada para a votação na Câmara Federal

Ludmilla SouzaAgência Brasil

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, admitiu ontem que o governo ainda não tem os votos garantidos para aprovar a reforma da Previdência. "Não temos o suficiente, teremos em 19 de fevereiro", disse. O ministro almoçou com o presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf, a convite da entidade. O almoço contou com a participação de diretores da entidade e presidentes de associações e de sindicatos e foi mais uma oportunidade no convencimento para a aprovação da reforma da Previdência.

A proposta da reforma da Previdência aguarda análise do plenário da Câmara dos Deputados desde maio do ano passado. Como a reforma é por meio de uma Proposta de Emenda à Constituição, são necessários pelo menos 308 votos favoráveis entre os 513 deputados, em dois turnos. A votação da PEC em plenário está marcada para 19 de fevereiro.

Apesar do recesso da Câmara, Marun continua no trabalho de conquista de votos. "Estamos avançando na conquista de votos, não estamos preocupados no momento com a contagem de votos. A chegada dos parlamentares [em Brasília] em grande número deve acontecer ao fim do recesso e nesse momento nós efetuaremos uma contagem mais efetiva. Eu posso garantir que vivemos hoje um momento muito melhor do que vivíamos antes do recesso parlamentar", reafirmou o que disse aos jornalistas segunda-feira, em Brasília.

Para o ministro, o importante agora é manter o diálogo com as diversas lideranças. "O setor empresarial está perfeitamente convencido dessa necessidade [aprovação das reformas]"..

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO