São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Nossa Região
Julho 25, 2017 - 23:47

Com novas regras, 160 mil vão deixar de aposentar na RMVale

Protesto contra a Previdência

Previdência. Protesto contra a Reforma da Previdência, proposta pelo governo, nas ruas de São Paulo

Foto: /Arquivo

Inédito, levantamento da Fundação Seade mostra que a parcela de habitantes que tinha entre 45 e 50 anos em 2015, na região, não vai se aposentar em 2030, como previam as regras atuais; 160 mil pessoas serão afetadas

Xandu Alves @xandualves10
São José dos Campos

As novas regras da Previdência Social, que o governo Michel Temer (PMDB) quer aprovar ainda em 2017, tirarão de 160 mil pessoas da RMVale a chance de se aposentar em 2030.

Pelas regras atuais, esse grupo estaria aposentado ou em vias de se aposentar em 13 anos. A história será diferente se a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) 287, que muda as regras da aposentadoria, for aprovada. A norma foi apresentada em dezembro de 2016.

"Com as novas regras, no Estado de São Paulo nenhum contribuinte com menos de 45-50 anos em 2015 conseguirá se aposentar em 2030", diz a Fundação Seade, em estudo divulgado nesta semana.

O contingente de habitantes da RMVale nessa faixa etária, em 2015, era de 159,9 mil pessoas. Metade mora em São José (44.829), Taubaté (20.235) e Jacareí (15.456). Os 'sem-aposentadoria' em 2030 representam 10% da população economicamente ativa do Vale em 2015 --1,7 milhão.

Em São José, Taubaté e Jacareí, o grupo dos que trabalham era de 850 mil pessoas em 2015 --10% não conseguirá se aposentar em 2030 se as regras mudarem.

O engenheiro Alexandre Souza, 51 anos, é um deles. Ele não vai conseguir se aposentar em 2031, como esperava, se as regras da Previdência mudarem. "Nem sei mais quando poderei me aposentar com as novas regras. Tudo ainda é muito confuso", disse.

Para o governo, se as regras de concessão de aposentadoria não mudarem neste ano, ficando a aprovação da PEC para 2018, as normas terão que ser ainda mais duras. "A reforma lá na frente vai ter de ser mais forte do que a atual", apontou Marcelo Caetano, secretário de Previdência do Ministério da Fazenda.

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO