São José dos Campos
14º / 28º
Sol entre poucas nuvens
Nossa Região
March 24, 2013 - 05:28

Números e siglas deixam conta de energia confusa

Com serviço mais barato, usuário tem que entender cobrança para saber como reduzir o consumo

Paula Maria Prado
São José dos Campos

Saber ler a conta de luz é essencial para o cidadão que quer garantir seus direitos como consumidor. No entanto, o amontoado de siglas e números mais confundem que esclarecem.
No início de janeiro, a presidente Dilma Rousseff (PT)anunciou desconto de 18% na conta de luz residencial.
A redução foi possível devido a um aporte de R$ 8,4 bilhões do Tesouro Nacional e à antecipação da renovação do contrato com as concessionárias, que venceria entre 2015 e 2017. De acordo com a mudança, o usuário que antes pagava R$ 100 passou a pagar R$ 82.
“Para verificar esse desconto, o cidadão deve comparar a sua conta atual a uma anterior ao desconto, verificando o número de quilowatt-hora (kWh) consumido em ambas faturas”, explicou Marcos Scarpa, gestor executivo da EDP Bandeirante.

Números. Para entender a conta de luz, é preciso estar atento aos números e tributos inseridos nela.
Como uma compra via internet, a tarifa paga pelo consumidor é uma soma entre o Tusd (Tarifa de Uso do Sistema de Distribuição), que funcionaria como o frete --custo para a energia chegar até a sua casa--, mais TS, o valor da energia em si, o produto comprado.
O restante são tributos federais, como o Pis (Programa de Inserção Social) e o Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social), que variam de acordo com o mês, e o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias), cuja porcentagem depende da quantidade de kWh gasto ao longo mês pelo usuário.
“Se ele gastar até 90 kWh, não paga o ICMS, já se gastar entre 91 e 200 kWh, a porcentagem é de 12% sobre a conta. Acima de 201 kWh é 25%. Então, o ideal é que os moradores da casas economizem de forma a evitar ultrapassar 200 kWh”, afirmou Scarpa.
A estudante Amélia Bianca de Freitas, 26 anos, passou a verificar a conta todos os meses. “Tento economizar o máximo. Não tomo banhos demorados nem deixo ligados aparelhos que não estou usando”.

Desconto. Não se engane: a redução do valor da conta anunciado por Dilma tem os dias contados. Em outubro, aniversário da concessão da EDP Bandeirante, haverá um reajuste tarifário, segundo contrato com a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). A porcentagem do aumento só será divulgada no mês.

Arte energia elétrica

Ação
Hora do Planeta alerta para consumo
Programada para ontem, a 5ª edição da Hora do Planeta teve a adesão da região. O ato é organizado pela ONG WWF. Cerca de 150 países participaram. No Brasil, mais de 70 cidades, sendo 22 capitais, apagaram as luzes de monumentos e fachadas de prédios públicos entre às 20h30 às 21h30. O objetivo é chamar a atenção para o consumo excessivo de energia elétrica.

Economia
Horário de pico pesa na conta de luz
No horário de pico, entre às 17h30 e 20h30, quando há o maior consumo de energia elétrica no país, a tarifa é mais cara. Para reduzir o valor da conta, o usuário deve evitar o consumo excessivo de energia. As indústrias são responsáveis por 39% de todo o consumo, seguido pelo poder público e transportes, com 19%; residências, com 16%, e comércios e serviços, com 8%.

Publicidade
Publicidade
Publicidade