Coletores retornam ao trabalho, após 6 dias de greve em S. José- Foto: Flavio Pereira

Carlinhos rompe contrato com empresa da coleta de lixo

São José dos Campos- Atualizada às 7h15

A Prefeitura de São José dos Campos rompeu ontem o contrato com a empresa VSA - Vale Soluções Ambientais, responsável pela coleta de lixo comum da cidade.
A rescisão foi motivada pela greve dos coletores que durou uma semana e provocou caos na coleta de lixo da cidade.
A paralisação teve início no dia 25 de setembro e foi encerrada na última terça-feira.
A Urbam (Urbanizadora Municipal), empresa vinculada à prefeitura, é que assumirá o serviço, informou em nota o governo do prefeito Carlinhos Almeida (PT).
A administração sustenta que "a Urbam está preparada para assumir a gestão completa da coleta de lixo sem qualquer interrupção durante a transição com a VSA".
Diariamente são coletadas em São José cerca de 400 toneladas de lixo comum.
O governo sustenta ainda que a empresa municipal também tem condições de retomar a coleta de lixo seletiva, que estava interrompida desde a greve dos coletores.
O serviço será retomado na próxima segunda-feira.

Concorrência.
A prefeitura planeja lançar, em prazo de três meses, licitação para a contratação de uma nova empresa coletora.
Os cerca de 150 coletores de lixo ligados à VSA que cruzaram os braços reivindicavam o pagamento de R$1.300 no Programa de Participação nos Resultados (PPR).
A empresa repassou R$ 800 no ano passado e ofereceu R$ 540 neste ano (60% do salário base, de R$ 900), segundo o sindicato da categoria.
O serviço é operado por uma frota de 20 caminhões.
O impasse levou o Sindetur (Sindicato dos Empregados em Turismo e Hospitalidade de São Jose dos Campos) a reduzir para R$ 1.000 o valor pleiteado para o PPR. A entidade também pedia que os dias parados não fossem descontados e que a VSA garantisse estabilidade dos trabalhadores.
No dia 10 de outubro está marcada audiência de conciliação no TRT, de Campinas para continuidade das negociações.

pag04 aa.jpg
Funcionário lava caminhão na sede da VSA, na região sul
de São José;  contrato com empresa foi rescindido pela prefeitura,
que assume o serviço na segunda-feira - Foto: Flavio Pereira



Multas.
Durante a greve, a Secretaria de Serviços Municipais e a Urbam tiveram que montar um plano emergencial para coletar o lixo comum.
No período da greve, a população de São José produziu 2.972 toneladas de lixo orgânico, das quais 2.069 toneladas foram recolhidas pelo mutirão montado pela Urbam e SSM.
No entanto, as reclamações de atrasos no recolhimento do lixo "pipocaram" em toda a cidade, principalmente em bairros da periferia.
Os bairros menos atendidos foramda região sul. Montanhas de lixo ficaram acumuladas em locais como Cidade Morumbi, Jardim América, Colonial e Dom Pedro 1° e 2°.
A VSA já havia sido notificada e multada em R$ 300 mil por paralisações anteriores dos serviços prestados.
"Com a interrupção ocorrida em função da greve dos coletores, a companhia recebeu nova notificação da prefeitura, com indicação para rescisão do contrato, diante das continuadas falhas apresentadas", informou em nota o governo do PT.
Em 2014, a prefeitura prevê gastar R$ 54 milhões com a coleta de lixo.
A empresa e o sindicato não se pronunciaram ontem.

 

SAIBA MAIS

Paralisação
Coletores de lixo da empresa VSA paralisaram o serviço durante sete dias em São José

Reivindicação
A categoria reivindicava pagamento de R$ 1.300 de PPR (Programa de Participação nos Resultados)

Proposta
Empresa oferecia R$ 540 este ano ante R$ 800 pagos no ano passado

Audiência
Na próxima semana haverá nova audiência no TRT para tratar do assunto

Emergência
Empresa foi notificada e a prefeitura teve que montar uma operação de emergência para fazer a coleta, mas houve falhas no serviço

 

 

Comentários





Lixo é o Senhor Prefeito Lixo... lixeiros ao passarem pelo Paço, levem logo este prefeito e pelo amor de Deus, não pelo lixo reciclável...

Por: norival gallo, 6 October 2013 06:54

Também concordo com os comentários do Ildemar C.Guedes, pois é para isso ,TAMBÉM, que a Urbam foi criada...a melhor notícia desse imbróglio, é que para suprir essa demanda, a Urbam deve abrir concurso público, pois não tem no seu quadro de funcionários, número suficiente para recolher 400 ton/dia...e, nem caminhões, que atendam essa demanda.

Por: Brisa Joseense, 5 October 2013 21:36

Coita dos dos funcionarios da URBAM eles ganham menos de R$ 1.000 por mês e não tem PLR é ja que vão querer fazer greve.

Por: JoeldeOliveira, 5 October 2013 17:43

tambem concordo com Ildemar,deixa a Urbam e fiscaliza para que tudo de certo.

Por: Anna, 5 October 2013 11:43

Concordo com o amigo Ildemar C Guedes. Toda vez que trocam a Urbam por outra, dá no que deu. Deixa a Urbam mesmo... se bem administrada, faz seu trabalho direitinho. Eu, como cidadão Joseense, concordo com a atitude da Prefeitura NESTE CASO.

Por: Edu-SJK, 5 October 2013 11:30

Concordo com o amigo Ildemar C Guedes. Toda vez que trocam a Urbam por outra, dá no que deu. Deixa a Urbam mesmo... se bem administrada, faz seu trabalho direitinho. Eu, como cidadão Joseense, concordo com a atitude da Prefeitura NESTE CASO.

Por: Edu-SJK, 5 October 2013 11:29

Infelizmente o governo quer privatizar tudo que for possível, em geral, alegando ser atividade-meio, e diminuindo sua parcela de responsabilidade nos problemas administrativos da atividade; entretanto as empresas terceirizadas na hora da licitação, devido a ganancia, colocam o menor preço possível para ganhar e depois tentam compensar isso em cima dos trabalhadores, muitas vezes não depositam fgts, vale alimentação, transporte.. e assim começa o ciclo de novo... com as reclamações dos trabalhadores, justiça do trabalho.. nova licitação / menor preço / insatisfação... se não houver um gestor do contrato acompanhando de perto (e que esteja preparado tecnicamente), é só questão de mais ou menos tempo para dar problema com as novas empresas.

Por: Lawrence, 5 October 2013 08:14

Na minha opinião a Urbam deveria assumir esta atividade essencial em definitivo. Não deveria fazer nenhuma licitação. Não acredito que uma empresa privada possa prestar serviço de melhor qualidade que uma empresa pública bem administrada. Com certeza sairia mais barato para o município eliminar o intermediário (empresa privada) nesta atividade e em outras também.

Por: ildemar c guedes, 5 October 2013 07:35