Logo Jornal OVALE

notícias

O bacharel em Direito Vinícius Batista Serra, de 27 anos, acusado de agredir a empresária e paisagista Elaine Perez Caparroz, no Rio de Janeiro, centralizou a sessão de quatro horas de espancamento no tórax e no rosto. A informação foi dada, hoje (22), pelo coordenador da clínica médica da Casa de Portugal, Hélio Primo, instantes antes de a paciente receber alta do hospital, onde deu entrada no último dia 16 com um quadro de trauma grave. "A paciente entrou no hospital em estado crítico com muitos traumas, perda de dentes, fraturas generalizadas e não definidas na face e com muitos hematomas, principalmente no rosto e no tórax, onde o agressor concentrou o espancamento, mas também com algumas manchas e mordidas no braço", disse. O médico contou que Elaine foi inicialmente levada para o Centro de Tratamento Intensivo (CTI), onde permaneceu dois dias, mas diante da "excelente" evolução do quadro clínico, foi, dois dias depois, transferida para um quarto. "Ela foi tratada inicialmente no CTI, teve excelente evolução, estabilidade clínica, e teve a função renal [afetada pelas pancadas] resgatada. A partir de então, apresentou excelente evolução clínica e laboratorial, respondeu bem aos medicamentos", disse. Recuperação O médico disse que os hematomas concentrados no tórax e no rosto da vítima deverão levar de três a seis meses para desaparecer, mas que ela não terá que se submeter a cirurgias reparadoras porque muitas fraturas estão alinhadas. "No futuro, talvez ela tenha que passar por uma pequena correção [na face] de caráter estético, mas não houve nenhuma fratura desalinhada. As fraturas estão todas alinhadas e ela teve uma resposta clínica muito boa", afirmou Hélio Primo. Ressaltou que Elaine sofreu descolamento de retina no olho esquerdo, o que terá que ser acompanhado mais de perto porque a visão está prejudicada. "Ela já abre um pouco os olhos, mas com dificuldade porque o rosto ainda se encontra bastante inchado e cheio de hematomas. Ela ainda enxerga um pouco embaçado, mas vai se recuperar totalmente deste problema", afirmou o médico. A avaliação dele é que, do ponto de vista emocional,  será preciso um maior cuidado. "A parte emocional é que ainda demandará um longo caminho pela frente. Haverá uma lenta e demorada recuperação disso tudo", disse, em referência ao trauma provocado pelo espancamento. "Mas, infelizmente, a gente vê isso todos os dias. Agressões a mulheres e a crianças, isso ainda é muito comum, infelizmente", lamentou. Elaine Caparroz foi agredida brutalmente por Vinícius, a quem conheceu pela internet, na madrugada do último dia 26, ficando totalmente desfigurada. O crime ocorreu no apartamento em que ela mora na Barra da Tijuca, no Rio. A empresária, de 55 anos, é ex-cunhada da lutadora Kyra Gracie. Em nota divulgada hoje (22), a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) informou que Vinícius Batista Serra, acusado de agredir Elaine, está detido em prisão preventiva por tentativa de feminicídio. Ele foi transferido para o Hospital Penal Psiquiátrico Roberto Medeiros, no Complexo Penitenciário de Gericinó (Bangu), zona oeste da cidade, para avaliação psiquiátrica. A nota informa ainda que ele está em "período de observação na unidade, sendo acompanhado por uma equipe médica".
O ministro da Economia, Paulo Guedes, manifestou hoje (22) otimismo de que a reforma da Previdência seja aprovada pelo Congresso Nacional ainda no primeiro semestre deste ano. A declaração foi dada após a cerimônia de posse da nova presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Suzana Ribeiro Guerra. Guedes lembrou que a Previdência é o maior gasto do governo e precisa ser equacionada. "A reforma da Previdência é o primeiro ataque potente a esse desajuste fiscal, porque realmente é a primeira grande rubrica de despesas públicas. Nosso déficit na Previdência está indo de R$ 340 bilhões no ano passado para R$ 370 bilhões este ano. As despesas com Previdência estão em R$ 700 bilhões". Apoios O ministro disse que tem recebido os apoios necessários para as reformas que pretende implementar no país. "O presidente da Câmara dos Deputados [Rodrigo Maia] tem apoiado as reformas, o presidente do Senado [Davi Alcolumbre] tem dito que vai apoiar as reformas. O Judiciário reconhece a necessidade das reformas. Eu tenho conversado aqui e ali, e tenho sentido ventos de reformas. O Brasil precisa ajustar, nós tivemos quatro décadas de descontrole dos gastos públicos. O que aconteceu foi que casas como esta [IBGE], de excelência, estão se atrofiando ao longo do tempo e gastos completamente sem sentido social se expandiram ao longo do tempo". Ele citou como gastos sem sentido o pagamento de juros da dívida pública e os subsídios para grandes empresas. "Só com rolagem da dívida são 100 bilhões de dólares por ano, quase R$ 400 bilhões por ano, isso é o dinheiro de reconstruir uma Europa no pós-guerra. O Brasil reconstrói uma Europa todo ano sem sair de uma situação dramática. O governo acabou gastando muito e gastando mal. Os economistas acabaram fazendo besteira, os políticos também, e nós nos desviamos de uma transição incompleta". Políticas sociais Guedes disse que não deixará de investir em políticas sociais de transferência de renda - "uma bandeira da fraternidade brasileira" -, e não uma política de esquerda ou de direita. "Qualquer bom economista sabe que as transferências de renda para a educação, para a saúde, são absolutamente essenciais para o bom funcionamento do regime democrático. Isso significa progresso, dois olhares interessantes convergindo para uma coisa boa, isso é uma democracia". O ministro disse que considera o Brasil uma democracia vibrante, com sua diversidade que promoveu a eleição de uma corrente de pensamento diferente "depois de 30 anos do lado só da social-democracia". "A riqueza de uma sociedade está também nos diferentes pontos de vista". Guedes destacou também que os poderes são independentes e a imprensa é livre, além de a comunicação estar se modificando rapidamente, a exemplo da campanha "de menos de um milhão de dólares" que elegeu um presidente usando fortemente as redes sociais. "Ninguém controla a opinião pública. A opinião pública está solta, é nossa. Às vezes fica para um lado e às vezes fica para o outro".
O programa para preenchimento da declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) estará disponível a partir das 8h de segunda-feira (25), no site da Receita Federal. A declaração deve ser entregue entre as 8h do dia 7 de março e as 23h59 de 30 de abril deste ano, pela Internet. Também a partir de segunda-feira, os contribuintes poderão preencher a declaração por meio de tablets e smartphones, acessando o aplicativo Meu Imposto de Renda. O serviço estará ainda disponível no Centro Virtual de Atendimento (e-CAC), na página da Receita Federal, com uso de certificado digital. O serviço Meu Imposto de Renda não pode ser usado em tablets ou smartphones para quem tenha recebido rendimentos superiores a R$ 5 milhões. A Receita espera receber neste ano 30,5 milhões de declarações ? no ano passado, foram entregues 29,27 milhões. Do total previsto para 2019, a expectativa é que entre 700 mil e 800 mil declarações sejam feitas por tablets e smartphones. Em 2018, 320 mil declarações foram feitas por meio de dispositivos móveis. Uma novidade é que, neste ano, o processamento da declaração será mais rápido, e o contribuinte poderá ter acesso ao status do processamento na noite em que fizer a declaração, ou no dia seguinte. Assim, já será possível verificar pendências. Entretanto, o supervisor nacional do Imposto de Renda da Receita Federal, Joaquim Adir, alertou que o contribuinte deve esperar "um pouco" para verificar se existe alguma inconsistência, porque podem ocorrer casos em que a empresa empregadora ou o plano de saúde atrase o envio de dados. "O que libera a declaração são os cruzamentos de dados. Espere um pouco mais", disse Adir, dirigindo-se ao contribuinte. Obrigatoriedade Está obrigada a apresentar a declaração a pessoa física residente no Brasil que, no ano-calendário de 2018 tenha recebido rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste na declaração, cuja soma foi superior a R$ 28.559,70 ou tenha recebido rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40 mil. Deve declarar ainda quem obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos sujeito à incidência do imposto ou fez operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas; quem passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês e, nessa condição, encontrava-se em 31 de dezembro ou quem optou pela isenção do Imposto sobre a Renda incidente sobre o ganho de capital auferido na venda de imóveis residenciais, cujo produto da venda seja aplicado na aquisição de imóveis residenciais localizados no país, no prazo de 180 dias, contado da celebração do contrato de venda. No caso da atividade rural, deve declarar quem obteve receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50 ou pretenda compensar, no ano-calendário de 2018 ou posteriores, prejuízos de anos-calendário anteriores ou do próprio ano-calendário de 2018. Também deve declarar quem teve em teve, em 31 de dezembro, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil. CPF de dependentes Neste ano, é obrigatório o preenchimento do número do CPF de dependentes e alimentados residentes no país. A Receita vinha incluindo essa informação gradualmente na declaração. No ano passado, era obrigatório informar CPF para dependentes a partir de 8 anos. Desconto simplificado A pessoa física pode optar pelo desconto simplificado, correspondente à dedução de 20% do valor dos rendimentos tributáveis, limitado a R$ 16.754,34. Deduções O limite de dedução por contribuição patronal ficou em R$ 1.200,32, devido ao reajuste do salário mínimo. No ano passado, o limite era R$ 1.171,84. A dedução por dependente é de no máximo R$ 2.075,08 e, para instrução, de R$ 3.561,50. Os contribuintes também podem deduzir valores gastos com saúde, sem limites, como internação, exames, consultas, aparelhos e próteses, e planos de saúde. Nesse caso é preciso ter recibos, notas fiscais e declaração do plano de saúde e informar CPF ou CNPJ de quem recebeu os pagamentos. As chamadas doações incentivadas têm o limite de 6% do Imposto de Renda devido. As doações podem ser feitas, por exemplo, aos fundos municipais, estaduais, distrital e nacional da criança e do adolescente, que se enquadram no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Segundo a Receita, neste ano o formulário sobre as doações ao ECA vai ficar mais visível. Aqueles que contribuem para um plano de previdência complementar ? Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) e Fundo de Aposentadoria Programada Individual (Fapi) - podem deduzir até o limite de 12% da renda tributável. Multa Quem não entregar a declaração está sujeito à multa de 1% ao mês-calendário ou fração de atraso, lançada de ofício e calculada sobre o total do Imposto Devido nela apurado, ainda que integralmente pago. A multa terá valor mínimo de R$ 165,74 e valor máximo correspondente a 20% do Imposto sobre a Renda devido. A multa mínima será aplicada inclusive no caso de declaração de Ajuste Anual da qual não resulte imposto devido. Restituições Segundo a Receita, as restituições do Imposto de Renda serão feitas em sete lotes a partir de junho deste ano: o primeiro lote sairá no dia 17 de junho; o segundo, no dia 15 de julho; o terceiro, no dia 15 de agosto; o quarto, no dia 16 de setembro; o quinto, no dia 15 de outubro; o sexto, no dia  18 de novembro; e o sétimo, no dia 16 de dezembro.
Pela primeira vez, um oficial do Exército brasileiro assumirá, em breve, um posto no Comando Sul das Forças Armadas dos Estados Unidos. A convite das autoridades militares norte-americanas, o Exército brasileiro designou o general Alcides Valeriano de Faria Júnior para ocupar o subcomando de interoperabilidade do Exército Sul dos EUA. Subordinado ao Comando Sul, o general de 52 anos de idade estará encarregado pela área de assistência humanitária e alívio de desastres do Exército Sul norte-americano. General Alcides Valeriano de Faria Junior  Divulgação Comando Militar do Leste As negociações começaram em 2017. A indicação foi anunciada pelo chefe do Comando Sul, almirante Craig Faller, durante pronunciamento no Senado norte-americano, no último dia 9. "[Os Estados Unidos estão] trabalhando com [países] aliados e parceiros para desenvolver o conceito de uma força-tarefa multinacional capaz de agir em diferentes escalas, dentro das estruturas de cooperação de segurança já existentes, para melhorar a capacidade coletiva de responder rapidamente às crises." De acordo com o general Edson Leal Pujol, o oficial brasileiro trabalhará junto ao comando e estará subordinado às autoridades norte-americanas. A data em que Alcides Valeriano deixará o comando da 5ª Brigada de Cavalaria Blindada para assumir o novo posto ainda não está definida. O general brasileiro substituirá um oficial chileno no Subcomando de Interoperabilidade. Atribuições "A missão do general Alcides será atuar como ligação entre o Brasil e o Comando Sul. Ele será um assessor do comando e estará subordinado às autoridades norte-americanas, da mesma forma como um oficial de outro país que participasse de um comando conjunto no Brasil ficaria subordinado as nossas Forças Armadas", disse Pujol. Segundo o Exército, entre as atribuições do general Alcides Valeriano estará apoiar os esforços do Exército do Sul e do Comando Sul "no sentido de desenvolver uma visão multinacional para responder a necessidades de assistência humanitária e facilitar o desenvolvimento e o aprimoramento dos esforços para melhorar a interoperabilidade entre os Estados Unidos e as nações amigas, em apoio à missão e às linhas de esforços do Exército Sul dos Estados Unidos". Na prática, Alcides Valeriano vai monitorar e liderar as seções envolvidas em exercícios de treinamento e operações de assistência humanitária e alívio de desastres, além de encorajar as nações parceiras a colaborar na realização de pesquisas. Para o comandante do Exército brasileiro, o fato de um brasileiro assumir um posto-chave no Comando Sul das Forças Armadas é mais um reconhecimento da competência dos militares brasileiros. "É um reconhecimento do nosso valor, da nossa competência. E decorre, principalmente, das nossas participações em missões internacionais e nas conferências, seminários e intercâmbios em outros países." Perfil O Comando Sul é formado por mais de 1,2 mil militares e civis do Exército, Marinha, Força Aérea, Fuzileiros Navais e Guarda Costeira norte-americana, além de agentes de várias outras agências federais dos Estados Unidos e de outros países. Encarregado de executar e zelar pela política de segurança externa dos Estados Unidos para a América Central, América do Sul e Caribe (com exceção às comunidades, territórios e possessões ultramarinos dos EUA), o Comando Sul também é responsável por garantir a defesa do Canal do Panamá. Em nota, o Ministério da Defesa lembrou que as Forças Armadas brasileiras já atuam em cooperação com vários países, inclusive participando de exercícios militares internacionais. A pasta também destaca que a presença de um oficial brasileiro no Comando Sul demonstra o "valor da atuação das Forças Armadas brasileiras e da formação em operações combinadas". A pasta destaca que a participação brasileira fortalecerá a formação e o treinamento militares e contribuirá para elevação da capacidade "operativa e de interoperabilidade" brasileira.
O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) disse hoje (22)  que na próxima reunião com líderes na Casa, na terça-feira (26), sairá a definição se o Senado terá uma Comissão Parlamentar de Inquérito própria para apurar o rompimento da barragem em Brumadinho ou se terá uma comissão mista com a Câmara dos Deputados. Apesar de defender um colegiado misto, ele admitiu que a tendência é que cada Casa tenha sua própria CPI. "Eu tenho conversado com os senadores e deputados para que a gente pudesse construir uma CPMI para dar uma resposta sobre pessoas que morreram vítimas de uma tragédia, que pelo que se conhece até agora, foram vítimas de descaso de uma empresa, mas há resistência por parte de senadores e deputados para a constituição da CPMI . Pedi aos líderes que façam suas indicações [ de membros] e na terça vou encaminhar se vamos instalar nossa CPI, ou se vamos esperar a sessão do Congresso para ler o requerimento de CPI Mista", explicou durante café da manhã com jornalistas hoje, em Brasília. Investigação Em relação às investigações sobre a possível fraude na eleição para a presidência do Senado, em 2 de fevereiro, na qual um voto duplicado anulou a 1ª tentativa de votação do dia, Alcolumbre disse que o corregedor casa, senador Roberto Rocha ( PSDB-MA  ) está aguardando o apoio que foi solicitado no termo de cooperação entre  Polícia do Senado com a Polícia Federal  (PF) para perícia nas imagens. Segundo o presidente do Senado, a PF tem um equipamento com maior resolução que pode ajudar a esclarecer o caso. O Senado também solicitou imagens ao SBT e à TV Globo que possam ajudar. Caso fique comprovada a participação de algum senador no caso, o presidente esclareceu que Rocha pode sugerir uma punição ou pode encaminhar a investigação para o Conselho de Ética, cuja expectativa é que seja instalado na semana que vem ou logo após o carnaval.   Denúncias Davi Alcolumbre não quis comentar o fato do senador Ciro Nogueira (PP-PI) ser o principal alvo na manhã de hoje da operação "Compensação",  da Polícia Federal, que investiga crimes de  corrupção passiva e de lavagem de dinheiro. Depoimentos prestados por colaboradores apontam repasses de R$ 43 milhões ao Partido Progressista, em pagamentos em espécie e doações oficiais, por intermédio do senador, em troca de apoio político do partido na campanha eleitoral para a eleição presidencial de 2014. "Não posso, como presidente do Senado, acusar um senador. Eu posso como presidente do Senado pedir para os senadores terem posturas de senadores, trabalharem pelo Brasil , representem seus estados. Nesse sentido, minha posição como presidente do Senado é de autonomia de um Poder constituído, de independência de harmonia e de trabalho", afirmou.
A produção brasileira de aço bruto somou 2,9 milhões de toneladas em janeiro, aumento de 2,3% em comparação a janeiro de 2018. Já a produção de laminados caiu 3,1%, com 1,8 milhão de toneladas, e a produção de semiacabados para vendas teve queda de 9,2%, atingindo 729 mil toneladas.   Os números foram divulgados hoje (22) pelo Instituto Aço Brasil. As vendas internas tiveram redução de 3,7% em relação a janeiro de 2018, com 1,4 milhão de toneladas. Queda também no consumo aparente de derivados (-5,6%), que alcançou, em janeiro, 1,5 milhão de toneladas, frente ao mesmo período de 2018.   A análise em termos regionais mostrou que Minas Gerais, com 945 mil toneladas, segue na liderança dos estados produtores de aço no país, seguido do Rio de Janeiro (836 mil toneladas) e Espírito Santo (579 mil toneladas). Produção mundial A China ocupa a liderança entre os produtores mundiais de aço, com 929,26 milhões de toneladas produzidas no ano passado, expansão de 6,6% comparativamente ao ano anterior. Os Estados Unidos são o segundo colocado no ranking, com 168 milhões de toneladas, menos 0,3% que em 2017.   Apesar de não estar na relação dos cinco maiores produtores globais, o Brasil, com 34,735 milhões de toneladas produzidas de aço no ano passado, é líder na América Latina. Na segunda colocação, aparece o México, com 20,20 milhões de toneladas de aço produzidas em 2018.
A capital paulista registrou 159 mil transações imobiliárias no ano passado, o que representa aumento de 13% na comparação com 2017. O município do Rio de Janeiro teve alta de 1%, totalizando 66 mil transações no mesmo período. É o primeiro índice de registro de imóveis no país, elaborado pela Associação de Registradores Imobiliários de São Paulo (ARISP) e Associação de Registradores Imobiliários do Rio de Janeiro (ARIRJ), com consultoria técnica e metodológica da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Em parceria com as entidades, o Ministério da Economia anunciou hoje (22) os primeiros dados do índice. Também foi criado um grupo de trabalho que vai atuar na melhoria da posiçãol no ranking do Doing Business, sistema que avalia os ambientes de regulamentos para fazer negócios e sua implementação em 190 países. O Brasil está na 109ª posição no ranking. A meta do governo é chegar ao final de 4 anos de mandato na 50ª posição. O indicador pode ajudar na melhoria da colocação. Além disso, de acordo com o Secretário Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, na próxima semana devem ser anunciadas medidas para facilitar a abertura de empresas, o que também contribui para a melhoria do ambiente de negócios. Para o governo, o índice servirá como termômetro para o mercado imobiliário, tendo impacto na qualificação de políticas públicas e possibilitando melhores decisões do setor privado sobre o mercado imobiliário. "Com isso, você pode rever políticas habitacionais, políticas de crédito, políticas de acesso à terra, facilidade de fazer registro. Você consegue determinar se uma política pública no passado teve ou não efeito", disse o secretário. Indicador de registro de imóveis Os primeiros índices divulgados se referem aos municípios de São Paulo e Rio de Janeiro e contemplam dados referentes às transferências imobiliárias, quantidade, natureza e tipo de imóvel ? do período de 2012 a 2018. Com previsão de divulgação mensal, o Índice do Registro de Imóveis do Brasil ficará disponível para consulta no portal. Segundo o ministério, nos próximos meses serão anunciados dados sobre financiamentos imobiliários, inclusive execuções de inadimplentes feitas pelos registros de imóveis e eficiência na recuperação desses créditos. Em breve os índices abrangerão todo o estado de São Paulo e Rio de Janeiro, além dos demais estados envolvidos no projeto. Até o momento, também fazem parte dessa iniciativa os estados do Paraná, Santa Catarina, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Ceará, Pernambuco e Pará. Os registradores de Imóveis remetem os dados pertinentes às entidades estaduais, analisados pela Fipe.
 O  Senado deve ter uma  Comissão Especial de Acompanhamento da reforma da Previdência. O presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse hoje (22) que os integrantes serão definidos pelos líderes dos partidos na próxima terça-feira (26). A expectativa dele é que o Senado aprove a reforma antes do recesso de julho, se a Câmara votar o texto até abril. "A gente vai fazer com que o relator dessa comissão seja um membro titular da CCJ  [Comissão de Constituição e  Justiça ]e que ele também possa ser relator da Reforma da Previdência quando ela chegar na nossa Casa", afirmou o senador durante um café da manhã com jornalistas na residência oficial do Senado. As negociações são para que o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) assuma a relatoria da reforma da Previdência na comissão especial. A comissão especial terá como atribuição fazer sugestões e encaminhar recomendações para que a proposta chegue ao Senado com as principais polêmicas já pacificadas para que seja votado na Casa o mesmo texto vindo da Câmara. Caso os senadores modifiquem o mérito do texto da Câmara, a proposta precisará retonar para análise dos deputados e isso pode atrasar muito a conclusão da votação. Debate Há pontos, como o que trata do Benefício de Prestação Continuada , o BPC, que exigem discussão prolongada. Pela proposta do governo, a partir dos 60 anos, os idosos receberão R$ 400. A partir de 70 anos, o valor sobe para um salário mínimo. Alcolumbre disse ter conversado com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e informado sobre a dificuldade de tramitação ao mesmo tempo da proposta da Lei Anticrime e da reforma da Previdência no Congresso Nacional. "Eu disse para o próprio ministro que o sentimento do Senado é debruçar em relação ao tema Reforma da Previdência porque as duas coisas não conseguem andar juntas. Há disposição dos senadores debater a reforma da Previdência que é um assunto que está em voga hoje na sociedade brasileira", disse. Articulação Alcolumbre ressaltou que serão necessárias articulações intensas para garantir a aprovação da proposta da Previdência. "Senadores e deputados querem votar a reforma, mas o governo tem que se articular politicamente, buscar as lideranças e os partidos para garantir os votos necessários. Como se quebrou um modelo de administração que se arrastava nos últimos anos, os parlamentares precisam sentir confiança para apoiar um texto que lhe dê tranquilidade de ajudar o Brasil, mas que ele tenha segurança na relação dele de parlamentar com o governo, no que diz respeito a apoio a esses parlamentares na atuação política."  
O avião da Força Aérea Brasileira transportando ajuda humanitária à Venezuela, que decolou na manhã de hoje (22) da Base Aérea de Brasília, pousou há pouco em Boa Vista, capital do estado de Roraima. A aeronave transporta 23 toneladas de leite em pó e 500 kits de primeiros socorros. O porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, disse nessa quinta-feira (21), em entrevista á imprensa, no Palácio do Planalto, que o Brasil manterá o planejamento de ajuda humanitária à Venezuela, mesmo após o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciar o fechamento da fronteira. Segundo o porta-voz, a estimativa é fazer chegar à região fronteiriça alimentos e remédios neste sábado (23). "O planejamento da parte do governo brasileiro permanece o mesmo, estando em condições, a partir do dia 23, sábado, para prover os irmãos venezuelanos dentro do território venezuelano se houver a disponibilidade de meios e motoristas por parte dos venezuelanos liderados pelo Guaidó (Juan Guaidó, presidente interino)", disse Rêgo Barros. Segundo o porta-voz, a disposição do Brasil aguarda a chegada dos caminhões vindos da Venezuela, conduzidos por venezuelanos, mesmo que isso demore mais que o previsto. Rêgo Barros disse que não há risco dos alimentos e remédios estragarem em depósitos de Boa Vista, em Roraima, à espera da abertura da fronteira. "O tempo dos medicamentos e alimentos que estamos levando tem um prazo de validade bastante alongado. Dois, três meses [estocados] não nos preocupa."