São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Home
January 6, 2017 - 06:00

EDITORIAL: Vai dar samba? - 06/01

Crise atravessa a folia e governo mantém cancelamento de desfile

A crise atravessou o samba.

Desafinou as finanças de São José, deixando a quarta maior exportadora do país sem um tostão nos cofres públicos. Pelo contrário. O tamanho do rombo nas contas, resultado da administração Carlinhos Almeida (PT), começará a ser conhecido na manhã desta sexta-feira, quando a equipe do novo governo apresentará um diagnóstico (sombrio, daqueles dignos de um enredo sobre a Quarta-feira de Cinzas) da herança maldita que recebeu e com a qual será obrigado a conviver pelos próximos anos.

Olhando em retrospectiva, o enredo é cristalino. O mundo encantado da gestão Carlinhos, com muitas plumas e paetês, existia apenas na propaganda oficial. A realidade, principalmente após a derrota sofrida pelo petista nas eleições de 2016, fez questão de evidenciar: tratava-se de uma fantasia.

A máscara caiu. E a conta está chegando.

Como abre-alas, no início do governo Felicio Ramuth (PSDB) tem usado como mantra as palavras economia, corte dos gastos públicos e enxugamento das contas.
Nesta semana, o prefeito publicou quatro decretos para tentar reequilibrar as economias do maior município da região.

O decreto de maior impacto define contingenciamento linear de 15% no orçamento das secretarias, exceção feita às despesas na saúde e na educação. Para atingir esse objetivo, os secretários serão obrigados a economizar água, combustível, energia elétrica, telefone e materiais de consumo.

Outro decreto cria a comissão para analisar as contas de Carlinhos e renegociar os contratos em atraso.  Felicio está fazendo a lição de casa.

Em reportagem, o repórter João Paulo Sardinha traz a informação exclusiva de que o tucano decidiu manter o cancelamento dos desfiles de Carnaval -- prática que vinha sendo adotada desde 2012. “É uma atitude com o objetivo de reduzir gastos. Neste momento, temos pouco a comemorar e muito a trabalhar”, afirmou.

É o caminho. Apenas com austeridade as contas de São José vão voltar a dar samba.

  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Imóveis, Veículos e Diversos

Brasil

Mundo