São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Home
February 7, 2017 - 06:00

EDITORIAL: Quem não deve... - 07/02

Citado no Petrolão, Temer indica ministro próximo para vaga no STF

Quem não deve, não teme.
É o que diz o velho ditado popular, que está se mostrando cada dia mais atual no Brasil da Operação Lava Jato, com uma intensidade maior após a homologação da chamada delação do ‘fim do mundo’, com depoimentos para lá de incriminadores de 77 executivos e ex-funcionários da Odebrecht, pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

São citados mais de 200 políticos, atingindo em cheio o mais alto escalão da República e fazendo Brasília tremer.

A lista quilométrica e democrática, por ter nomes das mais diferentes legendas políticas, inclui a acusação de repasse de aproximadamente R$ 10 milhões para Temer. Há ainda a citação a nomes do núcleo duro do Palácio do Planalto.

‘Mencionado na Lava Jato todo mundo vai ser de alguma forma’, disse Romero Jucá, senador do PMDB de Roraima, considerado um dos aliados mais próximos ao presidente, sobre a nomeação de Moreira Franco para o cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência, ocorrida sexta-feira, que teve claro objetivo de garantir-lhe foro privilegiado -- assim como o parlamentar, o novo ministro também é citado.

E ele não está só. Quando Temer assumiu o poder, 15 dos seus 24 ministros já tinham sido citados ou eram investigados na Lava Jato. Um deles era o próprio Jucá, à época o ministro do Planejamento, que caiu após ter conversas telefônicas comprometedoras vazadas em 2016. ‘Tem que estancar a sangria’, disse o peemedebista nos áudios, em uma tentativa de pacto contra a Operação que está passando o país a limpo.

Nesta segunda, Temer anunciou a indicação de seu ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, para ocupar a vaga deixada no STF com a morte de Teori Zavascki.  O nome do ministro, que é filiado ao PSDB e já defendeu Eduardo Cunha, será levado à apreciação do Senado.

Esperava-se uma indicação técnica e não a escolha de um nome próximo ao presidente, citado na delação da Odebrecht. Afinal, quem não deve não teme.

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade  
Publicidade
Publicidade

Brasil

Mundo