Logo Jornal OVALE

Mulheres em foco no memorial da devoção no Santuário

"Toda mulher carrega em si um pouco de Maria", diz a antiga oração. E, no Dia das Mulheres, o Museu de Cera de Aparecida destaca algumas das mulheres cuja história recebeu as bençãos de Nossa Senhora Aparecida.

Dona Gertrudes, representada no Memorial, traz uma das mais bonitas histórias de devoção. Ocorrida em 1874, nela a devota com a sua filha cega chegaram a Aparecida vindas de Jaboticabal (SP). Ao se aproximarem do povoado, a mãe foi surpreendida com a menina dizendo que estava vendo a igreja.

Gertrudes simboliza ainda todos aqueles que iniciaram o movimento de peregrinação à Aparecida e as mães e esposas que rezam a Nossa Senhora por intercessão à seus filhos e maridos.

Silvana Rocha conta a história do Milagre das Velas, ocorrido em 1732. Durante um encontro de devotos, na primitiva Capela construída no Itaguaçu, de repente, as velas ao redor da imagem se apagaram sem motivo aparente. A moça, que organizava a reza do terço, se aproximou para acendê-las, mas parou quando viu que as chamas se reacenderam sozinhas.

Silvana representa as mulheres que integravam as famílias humildes do povoado que iniciou a devoção à Imagem da Santa encontrada no Rio Paraíba. Elas participavam e ajudavam a conduzir os cultos.

Ainda há as estátuas da Princesa Isabel e seu marido Conde D'Eu; de Santa Madre Paulina; e de Maria Helena Chartuni. Saiba mais: www.memorialdadevocao.com.br..