Logo Jornal OVALE

Auxílio-moradia tem só 9% de adesão de famílias no Banhado

Programa da prefeitura que oferece pagamento para moradores do Banhado teve adesão de 26 das 297 famílias em oito meses de campanha; lideranças da área prometem resistência

Thais Perez @_thaisperez | @_thaisperez

Aproximadamente 9% dos moradores que fazem parte do Núcleo Congelado do Banhado, que fica na zona central de São José dos Campos, aderiram ao Programa de Transferência do governo Felicio Ramuth (PSDB).

Até o momento, 26 famílias aceitaram receber o auxílio moradia de R$ 700 por mês e um valor adicional de R$ 5 mil para realizar mudança e demolição da residência.

O programa proposto pelo governo tucano teve início em agosto do ano passado. Podem aderir ao programa os moradores do Banhado incluídos no cadastro realizado em 2014, que contava com 297 famílias.

"Adoraríamos que a adesão fosse maior. Mas por ser o primeiro programa proposto, acredito que o número seja satisfatório", afirmou Sérgio Tarzia, diretor de Desenvolvimento Comunitário da Habitação da prefeitura.

Nesta semana, cinco famílias deixaram o local. Inicialmente, seis residências seriam desocupadas, mas uma das famílias acabou desistindo de aderir ao programa no dia da mudança.

"Acreditamos que muitos deles são coagidos a permaneceram no local", disse Tarzia.

De acordo com a prefeitura, o objetivo do programa de transferência é garantir melhores condições de vida para os moradores. Tarzia afirma que o programa deve continuar até que uma decisão judicial seja feita. "Não há como regularizar. As pessoas que se utilizam de plantio ali, serão mantidas, mas para trabalho e não residência", disse Anderson Farias, secretário de Governança da gestão Felicio.

RESISTÊNCIA

As lideranças do Jardim Nova Esperança prometem resistência ao programa e pedem a regularização do bairro.

Em novembro do ano passado, a Defensoria Pública pediu na Justiça que o governo não realize mais "qualquer ato no sentido de intimidar ou forçar adesão" ao plano de remoção dos moradores, e que também seja feita a regularização fundiária do local. Ainda não há decisão judicial sobre o caso..