Logo Jornal OVALE

Vale registra superávit de US$ 755,4 milhões no primeiro bimestre

Trata-se do melhor superávit dos últimos quatro anos para o mesmo período, segundo dados do Ministério da Economia; exportações da região aumentaram 13,55% neste ano na comparação com janeiro e fevereiro de 2018

Xandu [email protected] | @xandualves10

A RMVale registrou no primeiro bimestre deste ano o melhor superávit da balança comercial dos últimos quatro anos: US$ 755,4 milhões, fruto de US$ 1,6 bilhão em exportações e US$ 895,7 milhões de importações.

O montante é 60,65% maior do que o de janeiro e fevereiro de 2018 (US$ 470,2 milhões) e superior ante o mesmo período dos anos anteriores: 2017 (US$ 738,5 milhões), 2016 (US$ -146,8 milhões) e 2015 (US$ -1,3 bilhão), estes dois últimos com déficit.

Dezessete cidades da região exportaram US$ 799,7 milhões em fevereiro deste ano, resultado que é 3,48% mais baixo do que o de fevereiro do ano passado, de US$ 828,6 milhões.

Quantos às importações, 19 municípios da região somaram US$ 344,5 milhões no segundo mês do ano, o que representou uma queda de 20,33% na comparação com o montante do mesmo mês de 2018, com importações de US$ 432,4 milhões.

REGIÃO.

Os dados foram divulgados pelo Ministério da Economia.

Das 23 cidades do Vale que venderam ou compraram no exterior no primeiro bimestre deste ano, oito anotaram superávit na balança comercial, enquanto 15 fecharam o mês com déficit.

CIDADES.

Ilhabela manteve a liderança com o maior superávit do ano na RMVale, com US$ 575 milhões, o que representou aumento de 9,37% ante o superávit do primeiro bimestre de 2018, de US$ 525,8 milhões.

São José dos Campos foi a vice-campeã de superávit no Vale, com um saldo de US$ 268 milhões em janeiro e fevereiro, 138,59% superior ao resultado de igual período de 2018, quanto o superávit foi de US$ 112,3 milhões.

Região acumula US$ 161 bi exportados desde 1997, aponta governo federal

Com o resultado da balança comercial do primeiro bimestre, a RMVale acumula US$ 161,4 bilhões exportados desde 1997, segundo série histórica do Ministério da Economia.

Desse total, US$ 98,9 bilhões foram vendidos por São José dos Campos, cidade que é responsável por 61,28% de todas as exportações da região. Taubaté vem na sequência, com US$ 16,1 bilhões exportados desde 1997, 10% do Vale.

O aumento da exportação de petróleo nos últimos anos fez de Ilhabela a terceira maior exportadora da região, com US$ 11,8 bilhões, 7,32% do Vale. Quanto às importações, a região comprou no exterior o montante de US$ 209,5 bilhões desde 1997, sendo 41,93% importado por São Sebastião.

São Sebastião, Guará e Taubaté têm déficit na balança em 2019

Com US$ 12,1 milhões de superávit no primeiro bimestre de 2019, Jacareí perdeu saldo na comparação com os primeiros dois meses de 2018, quando registrou US$ 101 milhões. A retração foi de -87,96%. Pindamonhangaba fechou o bimestre com US$ 20,7 milhões de superávit, quatro vezes menor do que o resultado do ano passado, de US$ 84,9 milhões.

Os maiores déficits na região em 2019 foram de Guaratinguetá (US$ -63,2 milhões) e São Sebastião (US$ -33 milhões). Taubaté ficou com US$ -9,1 milhões neste ano, contra US$ -8,3 milhões em 2018.