Logo Jornal OVALE

RMVale vai inaugurar projeto 'Corujão da Saúde' do Estado

Bandeira de João Doria (PSDB) na prefeitura da capital, projeto será implantado pelo governo e quer zerar demanda por exames de ultarssom, mamografia e endoscopia 

Caíque [email protected] | @caiquetoledo

O Vale do Paraíba será uma das primeiras regiões de São Paulo a receber o 'Corujão da Saúde', projeto do governo do Estado que promete zerar a demanda por exames de ultrassom, mamografia e endoscopia.

Uma das principais bandeiras do governador João Doria (PSDB) quando estava na prefeitura da capital, o programa será implantado inicialmente na Grande São Paulo e na região de Campinas, além da RMVale.

Segundo o governo estadual, serão firmados convênios com o setor privado para viabilização dos exames. Por enquanto, negociam com o Estado a Santa Casa de São José dos Campos e a WK Diagnose, em Taubaté. Outras duas empresas, uma em cada cidade, também estão na mira do governo.

"O Corujão entra para tentar resolver o chamado 'meio do caminho'. O projeto se inicia no próximo dia 25 de fevereiro, mas acreditamos que em torno de 60 podemos ampliar bastante os números", disse o secretário de Saúde, José Henrique Germann Ferreira, em entrevista à OVALE.

FILA.

No Vale do Paraíba, a previsão é que sejam realizados 31.478 exames, dos quais 3.904 endoscopias, 24.988 ultrassons e 2.586 mamografias. A previsão é que nas três regiões -- Vale, Campinas e Grande SP -- sejam realizados 155.243 exames.

Em novo convênio, Santa Casa de São José vai atuar contra o câncer

A Santa Casa de São José dos Campos firmou convênio com o governo do Estado para ampliar a oferta de consultas com especialistas em oncologia, para combater a fila de pacientes diagnosticados com câncer e que precisam iniciar o tratamento.

Diversas entidades fazem parte do projeto, que prevê atender uma demanda de 2,5 mil pessoas inseridas na Rede Hebe Camargo de Combate ao Câncer.

"Identificamos uma demanda reprimida muito alta, e por isso estamos realizando estratégias alternativas para não prejudicar a rotina de atendimento da demanda da unidade e, sobretudo, agilizar a assistência especializada aos pacientes com câncer", afirmou o secretário de Saúde, José Henrique Germann Ferreira.

"O paciente não pode esperar frente à possibilidade de ser atendido em uma situação de maior gravidade", concluiu o secretário após o anúncio nesta sexta-feira.