São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Nossa Região
Novembro 07, 2018 - 21:24

Morte de jovens nas ações policiais dobra na RMVale

PM de SP

Segurança. Casos de resistência são investigados pela Corregedoria

Foto: /Divulgação

No geral, a quantidade de pessoas mortas por intervenção policial (Militar e Civil) caiu 29%, mas subiu 300% entre adolescentes de 16 e 17 anos e aumentou 50% de 18 a 20 anos

Xandu [email protected]

Aumentou o número de jovens mortos em confronto com a polícia na RMVale em 2018, embora tenham caído as mortes por intervenção.

De janeiro a setembro, segundo dados da SSP (Secretaria da Segurança Pública), 17 pessoas morreram em confronto com policiais. Em 2017, foram 24 mortos (-29%).

Porém, a quantidade de jovens mortos dobrou: 10 pessoas entre 16 e 20 anos morreram em confrontos com a polícia contra 5, em 2017.

A estatística é mais trágica com os adolescentes. Neste ano, 4 jovens de 16 e 17 anos morreram pela polícia contra 1, em 2017 --alta de 300%. De 18 a 20 anos foram 50% mais mortes: de 4 para 6.

A média de idade das 17 pessoas mortas em confronto policial neste ano foi de 23 anos ante 27, em 2017.

O maior número de adolescentes mortos por intervenção policial causou redução em outras faixas etárias.

Houve queda de 6 para nenhuma morte entre pessoas com mais de 30 anos. Na parcela de 20 a 30 anos, as mortes foram iguais nos dois anos: 6.

LETALIDADE.

Pesquisadora do Instituto Sou da Paz, Ana Carolina Pekny disse que para avaliar a morte de jovens em confronto com a polícia é preciso "entender o perfil das ocorrências". "Resistência entra em todos os boletins e é o que justifica o policial atirar".

"É preciso avaliar esses casos em que o policial agiu mediante suspeita. Será que é razoável que uma pessoa morra praticando tráfico de drogas", questiona Ana Carolina.

Para ela, a polícia tem que "fazer uso gradual da força", com "vários meios para agir, recorrendo a métodos não letais".

Preocupada com o discurso 'agressivo' de João Doria (PSDB), governador eleito de São Paulo, Ana Carolina disse que a polícia tem que reduzir a letalidade e agir com inteligência e de forma preventiva.

"Quando o policial mata está mais exposto à violência. A fala do governador de que policial tem que 'atirar para matar' coloca o policial em risco e não resolve o problema da criminalidade".

OUTRO LADO.

Em nota, a SSP disse que "trabalha diuturnamente para diminuir os casos de mortes decorrentes de intervenção policial", como a "Resolução SSP 40/15, que garante maior eficácia nas investigações de mortes".

Sobre a morte de jovens, a SSP disse que "deve ser analisada dentro do contexto da atuação policial neste mesmo período", com aumento de 30% nas apreensões e prisões em casos de flagrante de porte de arma de fogo ilegal. "Se considerados os nove primeiros meses de 2017 e 2018, as polícias apreenderam mais de 2.500 adolescentes no Vale"..

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO