São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
+ Design
Setembro 29, 2018 - 00:09

Quase metade das obras está ATRASADA HOJE

Somando os empreendimentos atrasados com aqueles cujo cronograma está apertado, percentual passa de 90%


Quase metade das obras públicas em andamento na RMVale está com o cronograma estourado. Ou já deveriam ter sido entregues ou ainda nem começaram.

De um pacote de 698 obras financiadas com recursos públicos na região, sendo a maioria delas de programas do governo federal, como o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), apenas 113 já foram concluídas, mesmo que nem todas dentro do prazo inicial.

O pacotão de construções começou em 2008 e contempla obras como escolas, creches, unidades de saúde, pavimentação de ruas, equipamentos esportivos, ações contra enchente, etc.

Além disso, 97 obras foram canceladas por problemas na execução dos convênios, que chegaram a ser aprovados e foram suspensos. Ou seja, o dinheiro estava garantido, mas foi perdido.

E uma das maiores obras públicas da região, a Arena Municipal de Esportes de São José dos Campos, segue suspensa desde 2013 e virou símbolo do desperdício.

Licitada em 2011 por R$ 33 milhões, ela paralisou em 2013 e deixou um esqueleto de concreto no lugar do moderno ginásio.

Passaram-se duas gestões --Eduardo Cury (PSDB) e Carlinhos Almeida (PT)-- e a obra segue parada.

No final de 2016, o TCE (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo) apontou prejuízo de R$ 4 milhões ao erário da prefeitura com a obra. Dinheiro gasto sem nenhuma contrapartida ao cidadão.

Quiçá diria o menino com a bola nas mãos observando a construção abortada, como se vê em foto que abre este caderno. Ali ele não brinca.

Os números seguem assombrando: das 600 obras em andamento, 230 (47%) já ultrapassaram a data prevista para a entrega e ainda não terminaram. Outras 226 (46%) correm o risco de não serem entregues dentro do prazo, seja pela brevidade do prazo ou pela falta de informação da execução.

Segundo especialistas, o atraso quase sempre eleva custos, compromete materiais e causa desperdício de recursos públicos (leia texto abaixo).

Os empreendimentos estão no 'Painel de Obras', que permite acesso a todas as 103.555 obras públicas federais no país, somando R$ 1,32 trilhão..

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO