São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Nossa Região
Setembro 03, 2018 - 22:54

'Tropa de elite' do PCC tem salário fixo, casa e carro pagos, revela MP

Violência. Ônibus queimado no Vale durante os ataques de 2006

Violência. Ônibus queimado no Vale durante os ataques de 2006

Foto: Arquivo OVALE

Conhecida pelo apelido de 'Sintonia dos 14', equipe de inteligência da facção criminosa responde diretamente para a cúpula, que está presa em Presidente Venceslau. Elite cuida ainda das finanças e também da disciplina

Guilhermo [email protected]

Como uma multinacional que faz do crime seu negócio, o PCC (Primeiro Comando da Capital) possui uma equipe de 'executivos', subordinados só à 'diretoria' da facção, apenas ao degrau mais alto da hierarquia da bandidagem.

Trata-se da 'Sintonia dos 14', o departamento que responde diretamente à 'Sintonia Final', aquela que dá a palavra final e corresponde à cúpula da mais temida organização criminosa do país. É a elite do PCC.

Os 'irmãos' convocados para a 'tropa de elite do crime possuem regalias, recebendo, por exemplo, uma remuneração fixa, moradia e veículo, além de ser poupado de determinadas obrigações inerentes aos membros do 'Partido', como o pagamento da mensalidade, o chamado 'caixote' ou 'cebola', ou as rifas e o 'progresso'.

"Essa Sintonia é composta por grupelho de elite da organização criminosa, formado por pouquíssimos integrantes com elevado poder decisório dentro da hierarquia marginal, ligado diretamente à cúpula da facção custodiada na P-2 de Presidente Venceslau", diz investigação feita pelo Ministério Público e encaminhada ao Poder Judiciário.

Anteriormente, a 'tropa de elite' era chamada de 'Quadro dos 36', porém teve o seu tamanho reduzido para 14 durante reestruturação realizada pelo PCC.

Além de reunir dados sobre o exército da facção, a 'Sintonia' é ainda responsável por tomar decisões junto à cúpula e ainda decisões de caráter disciplinar em relação aos 'irmãos', cuidar das finanças, com contas bancárias de terceiros para lavar o dinheiro do crime. O grupo se assemelha, segundo o MP, com a 'inteligência do PCC'.

RESTRITO.

Com a reestruturação interna, a organização dividiu em duas partes as atuações da 'Sintonia dos 14'. Uma delas, por exemplo, é responsável por investigar agentes públicos que estão na lista fatal dos bandidos.

"A 'Sintonia dos 14' foi reorganizada, com a criação de uma célula para tratar de assuntos restritos, no caso a 'Sintonia Restrita' responsável pelos assuntos extremamente sigilosos e de relevância para a cúpula, tal qual o levantamento de informações de agentes públicos e ex-integrantes que serão executados pelo partido", diz outro trecho de relatório do MP.

De acordo com o governo do Estado, em 2018, foram presos em São Paulo mais de 620 integrantes do PCC e os líderes da facção estão na cadeia..

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO