São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Política
Agosto 02, 2018 - 00:12

Câmara de Jacareí rejeita as contas e deixa Hamilton inelegível

Hamilton, ex-prefeito de Jacareí

Hamilton, ex-prefeito de Jacareí

Foto: Divulgação

Dos 13 vereadores, apenas dois parlamentares, ambos do PT, votaram pela aprovação das contas do ex-prefeito petista; Hamilton Mota informou que irá recorrer à Justiça

Thaís Leite @_thaisleite

Com base em parecer do TCE (Tribunal de Contas do Estado), a Câmara de Jacareí rejeitou nessa quarta-feira as contas de 2014 da prefeitura, relativas ao governo de Hamilton Mota (PT).

Votaram pela rejeição das contas 11 vereadores. Apenas dois opinaram pela aprovação: os também petistas Arildo Batista e Luís Flávio. Para que o parecer do TCE fosse derrubado eram necessários pelo menos nove votos.

O TCE apontou 18 falhas no período, sendo a principal delas que o ex-prefeito comprovou apenas a aplicação de 98,97% das verbas do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) naquele ano.

O advogado de defesa do ex-prefeito, Hélio Freitas de Carvalho da Silveira, afirmou que o recurso remanescente, de 1,03%, também foi devidamente aplicado. "O que se aponta no próprio parecer do Tribunal de Contas é um mero erro contábil, uma mera formalidade, não significa que o recurso não foi gasto", disse.

Luís Flávio também defendeu Hamilton. "Olha a que ponto fomos chegar, de um tribunal reprovar a conta por 1% de divergência no entendimento da aplicação da área da Educação, de um prefeito que era injustamente apontado como uma pessoa que só investia nesta área", afirmou. "A gente não pode confundir as tarefas. É pouco, mas não cumpriu a lei", rebateu a presidente da Câmara, Lucimar Ponciano (PSDB).

FUTURO.

Após a decisão, Hamilton afirmou que o resultado já era esperado, já que o atual prefeito, Izaias Santana (PSDB), tem maioria hoje na Câmara. O petista, que já teve as contas de 2013 rejeitadas no ano passado, informou que irá recorrer à Justiça. Inelegível por até oito anos por causa dessas decisões, ele disse que não pretendia ser candidato esse ano. "Vou fazer campanha para outros candidatos do partido".

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO