São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Economia
Julho 06, 2018 - 23:16

'Aviões menores serão tendência', afirma Ozires sobre acordo

Ozires Silva é homenageado na Embraer nesta segunda-feira (11)

Fundador. Ozires Silva é homenageado pela Embraer em São José

Foto: /Rogério Marques / OVALE

Um dos fundadores da Embraer defende o acordo com Boeing e diz que aviões maiores já estão saindo de serviço

Da redaçã[email protected]

Para um dos fundadores da Embraer, o coronel da Força Aérea e engenheiro Ozires Silva, 87 anos, a fusão entre a Boeing e a fabricante brasileira atenderá a um mercado em transformação, no qual as aeronaves menores serão tendência para o futuro.

"O potencial da aviação regional é grande e vai aumentar muito. Os grandes aviões estão sendo retirados de serviço. O passageiro quer embarcar mais rápido", disse.

Favorável ao acordo com a Boeing, Ozires defende que as empresas se preocupem com o mercado e em atender as demandas futuras.

"O mercado mudou completamente. A Airbus comprou nosso principal concorrente e é apoiada por quatro governos. Estão fazendo um avião de 158 lugares e estão chegando perto de nós. Isso surpreendeu a Embraer", afirmou.

Segundo ele, a Boeing também se surpreendeu com o movimento da principal concorrente (Airbus) e viu na capacidade produtiva e qualidade técnica da Embraer a melhor alternativa para liderar esse novo mercado.

"A Boeing veio atrás de uma parceria e está atrás dos nossos aviões. A associação da Boeing robustece bastante a Embraer", afirmou Ozires.

Para ele, um dos principais pontos favoráveis à Embraer no acordo com a Boeing é poder contar com a capacidade de vendas da americana.

"A força de vendas da Boeing é muito importante para nós. As nossas aeronaves poderão ser vendidas nos EUA como aviões nacionais, isso trará inúmeras vantagens".

Mesmo alertando que não acompanha a negociação entre Embraer e Boeing de perto, Ozires espera que a fabricante brasileira mantenha controle da produção.

"Temos que nos preocupar de termos uma voz, e isso está sendo feito com muito cuidado pela Embraer, da decisão em relação ao mercado que vai constituir e sobretudo nos aviões que serão fabricados"..

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO