São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Política
Fevereiro 08, 2018 - 21:14

Aumento no salário dos secretários de São José é aprovado na Câmara

Protesto na Câmara durante votação que aumentou o salário dos secretários de São José

Protesto na Câmara durante votação que aumentou o salário dos secretários de São José

Foto: Murilo Magalhães

Hernane Lélis e Julia Carvalho

Vereadores da Câmara de São José dos Campos aprovaram nesta quinta-feira (8) aumento de 19% nos salários dos secretários do prefeito Felicio Ramuth. A medida eleva os vencimentos da equipe do primeiro escalão de R$ 11.226,23 para R$ 13.369,32. Mesmo em meio a muita polêmica e preocupação com desgaste em ano eleitoral, o reajuste ganhou o aval de 13 parlamentares.

A sessão foi acompanhada por um grupo de manifestantes na galeria da Câmara e durou pouco mais de três horas. No plenário, vereadores se revezavam no uso da palavra para defender e criticar o aumento, proposto pela Mesa Diretora da Casa. Até mesmo o presidente do Legislativo, Juvenil Silvério (PSDB), que só votaria em caso de empate, usou o microfone para apoiar o reajuste.

O aumento nos subsídios dos secretários foi aprovado por Robertinho da Padaria (PPS), Cyborg (PV), Dr. Elton (PMDB), Dulce Rita (PSDB), Fernando Petiti (PSDB), Sergio Camargo (PSDB) Esdras Andrade (SD), José Dimas (PSDB), Maninho Cem por Cento (PTB), Marcão da Academia (PTB), Calasans Camargo (PRP), Walter Hayashi (PSC), Roberto do Eleven (PRB).

Além da bancada do PT, com Wagner Balieiro, Juliana Fraga, Amélia Naomi, também foram contrários ao projeto o vereador Lino Bispo (PR), Flávia Camargo (PRB), Valdir Alvarenga (SD) e Renata Paiva (PSD).

'MIMIMI'

O vereador Robertinho da Padaria chegou a dizer na justificativa de seu voto que esse "mimi" em torno do reajuste era provocado por grupinhos que só querem atrapalhar e que considerava justo elevar os vencimentos dos secretários por conta das responsabilidades que eles têm.

O aumento dos subsídios representa um acréscimo de mais de R$ 360 mil ao ano de custos aos cofres públicos. Para Amélia Naomi, justiça seria feita se aplicassem os mesmo 5% de reajuste que foi repassado aos servidores municipais. "Isso seria justo e teria meu voto", disse a vereadora, que teve o microfone cortado diversas vezes sob alegação de exceder seu tempo de fala.

Sérgio Carmargo justificou que estavam consertando "mais uma vez uma besteira do governo do PT. O vereador disse que o ex-prefeito Carlinhos Almeida (PT) não foi capaz de segurar uma base na Câmara, motivo que levou a não apresentação de um projeto de reajuste desde 2015.

"A população não concorda com os privilégios dos políticos. Ainda mais num contexto de crise em que a prefeitura já alegou diversas vezes a dificuldade orçamentária na atual gestão pública", Murilo Magalhães, um dos manifestantes que acompanhava a sessão..

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO