São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Economia
Janeiro 31, 2018 - 01:59

Fusão e aquisição de empresas movimentam US$ 48 bilhões em 2017

Embraer garantiu que um eventual acordo com a norte-americana Boeing respeitará os interesses estratégicos da segurança nacional.

Aeronave. Norte-americana Boeing trata com Embraer a possibilidade de uma combinação de negócios

Foto: Divulgação

Possível destino da Embraer, modelo de negócio movimenta US$ 48 bilhões em 2017, como estratégia para diversificar atividades e garantir sobrevivência de empresas brasileiras ; especialista alerta para casos negativos de gestão

Danilo [email protected]_

Em ritmo de crescimento, a fusão e aquisição de empresas tem sido uma estratégia para diversificar atividades e garantir sobrevivência de indústrias do Vale no mercado.

O modelo de negócio movimentou US$ 48,9 bilhões no Brasil em 2017 com 643 transações. As informações são do relatório anual de fusões e aquisições da PwC Brasil.

As tratativas entre a Embraer e a Boeing para uma possível combinação de negócios, por exemplo, são vistas pelo mercado como decisivas para manter a competitividade e a sobrevivência da fabricante brasileira no mercado mundial.

O relatório informa que, com 58% de participação nas transações anunciadas em 2017, os investimentos de origem nacional estiveram à frente dos investimentos de origem estrangeira com um total de 350 negociações, crescimento de 17% na comparação com 2016, quando foram realizadas 300 transações.

As aquisições de controle majoritário foram a principal modalidade de negócio em 2017, com 385 transações, ante 352 negócios em 2016. As compras aparecem na segunda posição com 216 transações, seguidas pelas fusões com 20 negócios anunciados.

O Grupo Brasileiro CAOA, por exemplo, realizou a incorporação de 50% da fabricante chinesa de veículos Chery no Brasil, com fábrica em Jacareí.

Especialista no setor aeroespacial e defesa, o professor de economia da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), Marcos Barbieri, defende a utilização da golden share, classe especial de ações que concede poder de veto ao Governo Federal numa eventual venda da Embraer para a Boeing.

"São relações patrimoniais entre empresas. A participação do estado é fundamental. O governo tem que analisar até que ponto as negociações vão ser vantajosas para o país. As operações são naturais do capitalismo, mas não quer dizer seja sempre benéfico, principalmente quando envolve alta tecnologia do setor estratégico aeroespacial e defesa".

Segundo ele, a negociação é aceitável se não houver uma tomada de controle. "Se envolver controle e subordinação por parte da Boeing é péssimo, principalmente para a região de São José. Além de ser complicado, porque envolve uma questão estratégica, visto que a Embraer é responsável pelos principais programas de defesa do Brasil", disse Barbieri.

Akaer visa dobrar faturamento anual para R$ 100 milhões e expandir aquisições

Com a Saab, a Akaer, empresa sediada em São José, vem absorvendo conhecimentos importantes no desenvolvimento de aeroestruturas para o caça supersônico Gripen, que foi vendido para a FAB. A empresa também adquiriu a Optoelectrônica, de São Carlos, e a Equatorial, de São José dos Campos. "A melhor maneira de você agregar novas tecnologias é diversificar seu portfólio de produtos com o crescimento interno ou adquirindo empresas com currículo", disse o presidente da Akaer, Cesar Augusto da Silva. Com a diversificação de tecnologias através da compra de novas empresas e a internacionalização da marca, a Akaer tem a expectativa de dobrar o faturamento este ano e passar dos R$100 milhões brutos. "A crise traz muitos problemas, mas também oportunidades para quem está bem posicionado ampliar seu portfólio tecnológico", ressaltou.

Sobre as negociações em curso entre a Boeing e Embraer, Silva acredita que seja positiva em termos de mercado, para enfrentar a concorrência mundial..

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO