São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Política
Dezembro 26, 2017 - 23:16

Auditoria nos ônibus de São José ficará 165% mais cara que 'pente-fino' de 2016

ECO CAMPOS DE SÃO JOSÉ

SISTEMA. ECO do bairro Campos de São José, na zona leste: eficiência do sistema será alvo de uma análise

Foto: Rogério Marques / OVALE

Análise no sistema de transporte coletivo de São José, a ser contratada pelo governo Felicio Ramuth (PSDB), vai custar 165% a mais que 'pente-fino' anterior, contratado em 2016: só uma empresa foi habilitada no pregão

João Paulo [email protected]

A auditoria no sistema de transporte coletivo de São José dos Campos, a ser contratada pelo governo Felicio Ramuth (PSDB), custará 165% a mais que o 'pente-fino' anterior, contratado em 2016.

A prefeitura assinará com a Staff Auditoria & Assessoria por R$ 450 mil para avaliar os 385 ônibus da frota e o serviço prestado nas 101 linhas do município. O acordo tem duração de quatro meses.

A licitação, realizada na última quinta-feira, está em prazo de recursos.

Em 2016, durante o governo Carlinhos Almeida (PT), a auditoria no sistema custou aos cofres públicos R$ 169.498. A vencedora, na ocasião, foi a Maciel Consultores, que acabou desclassificada no pregão do governo Felicio.

Com a Maciel desclassificada, a única habilitada foi a Staff Auditoria & Assessoria, que venceu a disputa com uma proposta 1,85 % menor que o valor de referência, de R$ 458.500.

A empresa eliminada já entrou com recurso para tentar reverter o resultado da licitação. Ela alega que a vencedora descumpriu três itens do edital do pregão.

A auditoria deve acontecer no primeiro trimestre de 2018. A empresa ainda terá um mês para a elaboração do relatório. A análise é uma exigência do contrato com as operadoras (CS Brasil, Expresso Maringá e Saens Peña)

O relatório deve indicar queda de passageiros no sistema de transporte urbano.

Governo reconhece baixa competitividade e não descarta anular resultado do pregão

O secretário de Governança, Anderson Farias, disse que o pregoeiro "está analisando a falta de competitividade". "Não mudou nada significativo [nos editais das auditorias]", afirmou. "O processo não está finalizado. A falta de competitividade é um fato que pode cancelar o pregão." Segundo ele, "analisando de longe, não houve vantajosidade"..

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO