São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Política
Novembro 08, 2017 - 23:32

Felicio prevê o fim da hora extra na Guarda Municipal

Guarda Municipal

Pagamento. Prefeitura não prevê recurso para hora extra em 2018

Foto: /Rogério Marques / OVALE

Projeto orçamentário para 2018, enviado pelo prefeito de São José à Câmara, extingue a previsão de horas extras para os guardas municipais; efetivo da GCM é menor em 2017

João Paulo Sardinha@jpsardinha
São José dos Campos

O governo Felicio Ramuth (PSDB) vai acabar com a hora extra na Guarda Municipal. O projeto orçamentário para 2018, encaminhado pelo prefeito à Câmara de São José, prevê apenas pagamento dos salários fixos aos guardas da cidade.

Em 2016, em meio à grave crise financeira, o ex-prefeito Carlinhos Almeida (PT) havia reduzido o número de horas trabalhadas a mais.

Neste ano, o orçamento reserva R$ 13,523 milhões para a jornada extra.

Para 2018, entretanto, a previsão de horas extras foi extinta. Guardas temem que, sem essa despesa, o trabalho de segurança fique prejudicado, já que o efetivo hoje é menor que no ano passado (265 para 251 guardas).

A Secretaria de Proteção ao Cidadão afirma que "realiza escalas de acordo com a necessidade do município, sem causar prejuízos à população".

Disse também que, por meio da Atividade Complementar (espécie de 'bico oficial' da GCM), os guardas "poderão executar funções inerentes ao poder da polícia administrativa fora da jornada normal de trabalho ou de plantão".

"Aos guardas que optarem por exercer a Atividade Complementar, será considerado o valor base de R$ 20 por hora despendida pelo servidor integrante do quadro da GCM no exercício exclusivo da atividade para o convênio", afirmou.

CONCURSO.

A diretoria do Sindicato dos Servidores, Zelita Ramos, disse que a luta da categoria é pela abertura de concurso público na Guarda, reajuste salarial e, somente em alguns casos, pagamento de hora extra.

"Hora extra não pode ser salário", afirmou. "Mas o salário tem que ser bom. Hora extra, dependendo de como é feita, tira a qualidade de vida. O efetivo precisa ser reforçado com um concurso", completou..

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO