São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Viver
Outubro 12, 2017 - 23:08

Padres cantores se reúnem em Aparecida e religiosos estão entre os discos mais vendidos

Viver

Viver

Foto: Divulgação

Paula Maria [email protected]
Aparecida

"Não me julgo cantor, tão pouco artista. Sou um padre que Deus presenteou com alguns dons e talentos, os quais procuro usar dentro do meu ministério sacerdotal. Cantar é um deles". A frase é do padre Reginaldo Manzotti, eleito em 2015 o sacerdote mais seguido nas redes sociais no mundo, segundo o portal espanhol "Aleteia".

Com mais de 1 milhão e meio de cópias vendidas, Manzotti lançou 12 CDs, quatro DVDs e tem no currículo uma indicação ao Grammy Latino, em 2013. É ainda autor de nove livros e apresenta programas em rádios e emissoras de TV.

Querido pelo público, o padre faz parte de um grupo de artistas religiosos que alcançaram sucesso nos últimos anos e estão entre os mais ouvidos e vendidos do mercado fonográfico. Além de Manzotti, há os padres Fábio de Melo, morador de Taubaté; Alessandro Campos, de Guaratinguetá; Antônio Maria, de Jacareí; Joãozinho, Omar e Zezinho, este último, precursor do movimento de padres cantores.

Segundo dados da ABPD (Associação Brasileira de Produtores de Discos), entre os top 10 álbuns mais vendidos de 2016, três são de religiosos. Entre os 10 DVD, Manzotti aparece na lista.

"Hoje o acesso às pessoas e aos lares está cada vez mais restrito. São muros altos e portões eletrônicos. E é através dos meios de comunicação que conseguimos chegar a todos. O que fazemos é procurar inovar no método de alcance, ainda que sem nunca mudar o conteúdo: sempre Jesus Cristo",disse.

O padre Antônio Maria concorda. "A arte gera uma evangelização mais eficiente. Eu posso dar um sermão de meia hora e as pessoas esquecerem. Com a música, pode ser que o refrão fique em sua memória, porque 'aquele' trecho toca direto no coração", afirmou Antônio Maria. "E eu fico muito feliz em hoje poder ouvir, depois de 41 anos como padre e cantor, em encontros de padre e bispos, novos religiosos falando 'o senhor embalou a minha vocação'", continuou.

MARIA.

Manzotti, Omar, Antônio Maria, Joãozinho e Melo junto dos padres Juarez, Marcos e Periquito se apresentaram nesta semana no Festival de Padres Cantores, de Aparecida.

Os religiosos abriram as comemorações dos 300 anos do encontro de Nossa Senhora Aparecida nas águas do rio Paraíba, e que encerraram ontem.

"Minha família é religiosa. Lembro da vez que uma imagem de Nossa Senhora passou um dia em casa. Eu cheguei da escola e senti que ela me olhava. Me senti amado. Para mim é uma felicidade cantar em sua homenagem no dia que ela se deixou pescar", contou Antônio Maria.

Já Manzotti afirma ser testemunha viva do poder intercessor da santa. "Sou o milagre vivo de uma oração piedosa de minha mãe que, ao ver-me nascer sufocado pelo cordão umbilical, após ter sido batizado às pressas e, portanto, em perigo de morte, fui consagrado à Nossa Senhora Aparecida. Em minha alma trago contínua gratidão; nos lábios, os louvores; e no meu segundo nome próprio (Reginaldo Aparecido), a marca daquela que intercedeu a Jesus e salvou minha vida".

O padre vem todos os anos a Aparecida agradecer por sua vida. "Este ano a homenagem é ainda mais especial: cantando a minha composição em honra à mãe", finalizou..

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO