São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Política
Outubro 31, 2017 - 23:50

Justiça de Jacareí autoriza quebra de sigilo bancário no caso Pró-Lar

CPI

CPI. Vereadores que investigam o caso solicitaram acesso aos dados

Foto: /Divulgação/CMJ

Suposto desvio de R$ 1,2 milhão na entidade, braço da Prefeitura de Jacareí responsável pela política habitacional no município, é alvo de inquérito na esfera cível e criminal , onde se apura lavagem de dinheiro, entre outros crimes

Hernane Lélis@hernanelelis
JACAREÍ

A Justiça autorizou a quebra de sigilo bancário de cinco pessoas que estariam envolvidas em um suposto esquema de fraude em licitação que desviou mais de R$ 1,2 milhão na Fundação Pró-Lar, em Jacareí. O pedido para ter acesso aos dados foi solicitado pela Câmara, que investiga o caso desde junho.

Na decisão, publicada nesta segunda-feira (30), a juíza Fernanda Ambrogi, titular da 2ª Vara Criminal de Jacareí, ressaltou que o interesse público do caso sobrepõe à garantia individual do sigilo e que os dados deverão ser compartilhados com a CPI da Pró-Lar.

A quebra do sigilo atinge Cristian Lemos, que era responsável pela contabilidade da fundação, José Rubens de Souza, ex-presidente da entidade, e três donos de empresas contratadas pela entidade. As movimentações bancárias correspondem ao período entre 1º de janeiro de 2016 a 31 de agosto do mesmo ano.

Entre os indícios de irregularidades estão o pagamento por serviços não realizados e dispensas de licitação para contratar empresas de 'laranjas'."As provas produzidas que instruem o presente pedido indicam a participação dos envolvidos num esquema ilícito que movimentou a vultosa quantia aproximada de R$ 1.217.000,00", ressaltou a juíza em seu despacho.

PRAZO.

O MP também investiga o caso em conjunto com a CPI. Há inquéritos instaurados tanto na esfera cível como na criminal, onde se apura diversas irregularidades, entre elas, lavagem de dinheiro. Procurado por OVALE, Chistian Lemos preferiu não comentar sobre a decisão. José Rubens de Souza não foi localizado.

Como não há previsão de quando as informações bancárias vão chegar à CPI, o grupo vai pedir prorrogação do prazo para concluir o relatório de investigação. A data inicial é 24 de novembro..

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO