São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Brasil
Outubro 10, 2017 - 18:03

Catalães comemoram independência, mas governo pede tempo para mediação

Uma manifestação em Barcelona contra o referendo da independência da Catalunha.

Uma manifestação em Barcelona contra o referendo da independência da Catalunha.

Foto: Divulgação

Gisele Rodrigues
Barcelona

Milhares de catalães assistiram nesta terça-feira ao pronunciamento de Carles Puigdemont, presidente do Governo da Catalunha, que declarou a independência da região.

Puidgemont, que atrasou seu discurso em uma hora, validou o referendo de 1º de outubro, porém pediu calma ao povo catalão e tempo para que possa fazer uma mediação internacional, e uma conversa mais aproximada com Madri.

PRONUNCIAMENTO.

Com muita euforia, os catalães, às vésperas da fala do governo, tomaram conta de um dos locais mais tradicionais da cidade de Barcelona, o Arco de Triunfo. Sobre gritos de “Independéncia”, muitos populares estavam trajando roupas com cores da Catalunha e bandeiras com a palavra “SÍ”.

O que se podia notar era o sentimento de patriotismo do povo catalão, que ao mesmo tempo que observava com muita concentração o início do discurso, por meio de um telão instalado no local, abraçava uns aos outros.

Puidgemont proclamou a independência da comunidade autônoma, porém pediu tempo para uma intermediação junto ao governo Espanhol. “Não somos loucos, delinquentes nem golpistas. Temos que ser respeitados. Nos próximos dias, vou estender mais uma vez um diálogo com a Espanha e a União Europeia, para que possamos ter mais apoio“, afirmou o presidente.

Para a estudante Aina Riart, de 31 anos, é prudente esperar as negociações afim de favorecer a região. “Temos a legitimidade do povo catalão, queremos a independência, mas não vamos fazer agora porque estamos à espera uma negociação mais inteligente com Espanha”.

Ao final do discurso, a multidão ficou em silêncio, e aos poucos as pessoas iam se retirando do lugar, com olhares de indignação e tristeza.  “Pensamos que hoje seria o dia que esperamos há anos, porém isso aconteceu, mas não da forma que queríamos. Mas acreditamos que o povo catalão venceu” afirma Nuria Sòla, 66 anos, professora aposentada.

As cenas de violência que marcaram o referendo também foram citadas. “ Vivemos um momento excepcional e histórico. Porém, infelizmente as imagens de violência que marcaram o referendo vão ficar registrados na nossa memória, envio a minha solidariedade a todos os feridos. A Catalunha não vai desviar do seu compromisso e seu progresso econômico”.

Andando no meio das pessoas, que ainda estavam por lá, podia se ver também alguns catalães que eram contrários a independência. O aposentado Josep (não quis identificar seu sobrenome), 71, alega que não seja bom para a Catalunha se tornar independente, pois as barreiras comerciais poderiam ser maiores. “ Os jovens podem não entender o que aconteceu hoje, mas os conflitos que uma possível independência acontecesse, poderiam afetar diretamente a economia da região”.

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO