São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Política
Setembro 08, 2017 - 23:06

sessão extra


Mais demorado

A Prefeitura de São José aditou em um mês o contrato com a Penascal Engenharia e Construções Ltda para obra de contenção de talude marginal do Rio Paraíba do Sul, no bairro Vila Cristina, zona norte da cidade.

Mais caro

O vencimento do contrato agora fica para 9 de outubro deste ano. Além de mais demorada, a obra também ficará mais cara para a população de São José. Haverá acréscimo de R$ 100.925,10 no valor contratual.

Tiro, porrada e bomba

O governo Felicio Ramuth (PSDB) pagou R$ 31.974 à Companhia Brasileira de Cartuchos para comprar munição calibre 38 e 380 para uso da GCM (Guarda Civil Municipal. Entrega em 60 dias.

É festa

Um seguidor do prefeito Felicio Ramuth, identificado como DJ Lucas Reis, comentou em um post do tucano sobre a construção da escola Pinheirinho dos Palmares: "Daqui a uns 40 anos sai". Felicio respondeu em seguida.

Som na caixa

Levando na esportiva, o prefeito de São José dos Campos respondeu ao seguidor do Facebook. "Se sair antes, você vai ter que dar a festa de inauguração de graça. Topa?", perguntou Felicio Ramuth.

De novo?

O prefeito Ortiz Junior (PSDB) teve que vetar trecho de um projeto de sua autoria que dava nomes a vias e prédios municipais de Taubaté. O motivo: como já havia acontecido antes, tentou nomear um imóvel que já tinha nome.

Mais atenção

Pelo projeto, o postinho de saúde da Avenida Independência passaria a se chamar Dr. José Francisco Monteiro Júnior. Só depois descobriu-se que a unidade já tinha um nome, e desde 1994: PAMO Cônego Cardoso.

Para piorar...

A confusão não acabou por aí. Descobriu-se também que o nome do Doutor José Francisco Monteiro Junior já havia sido dado ao postinho da Vila Marli em 1996, ou seja, há 21 anos. Ortiz pediu que a Câmara mantenha o veto e encerre a confusão.

Paguem a tornozeleira

A deputada federal Pollyana Gama (PPS) propôs na Câmara Federal que os custos de monitoração eletrônica por crimes de corrupção passiva e ativa e ativa em transação comercial internacional deve ser da responsabilidade do condenado.

Custo alto

"A monitoração eletrônica, que tem um alto custo ao poder público, deve ser de inteira responsabilidade daquele que for condenado por qualquer forma de corrupção", afirmou a deputada federal do PPS.

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO