São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Política
Agosto 10, 2017 - 23:34

Dinheiro 'sumido' vai para materiais e despesas, diz Universidade de Taubaté

Isnard Albuquerque e José Rui Camargo, vice e reitor da Unitau

Acordo. Vice-reitor e reitor da Unitau no evento de posse, em 2014

Foto: /Arquivo/OVALE

Segundo a universidade, R$ 17,71 milhões serão usados para comprar materiais para oficinas do integral e para despesas

Da redaçã[email protected]
Taubaté

A Unitau (Universidade de Taubaté) emitiu nota nessa quinta-feira para justificar o 'sumiço' de R$ 17,71 milhões no convênio firmado com a prefeitura para ações no programa de ensino integral. Segundo a universidade, o montante não será repassado à Fust (Fundação Universitária de Taubaté) pois será usado para aquisição de "materiais para as oficinas de arte, dança, teatro, esporte, informática e música, bem como para as despesas administrativas".

A universidade alegou que a medida é tomada porque os "insumos são adquiridos pela Unitau e não pela Fust".

Já o governo Ortiz Junior (PSDB) argumentou que "a divisão dos recursos para a execução das atividades compete à Universidade de Taubaté". A prefeitura informou que fiscaliza o "cumprimento do plano de trabalho por meio de relatórios mensais de execução" e que, caso alguma irregularidade for constatada na aplicação dos recursos, poderá suspender o repasse.

A polêmica surgiu em apontamento feito esse mês pela vereadora Loreny (PPS) ao TCE (Tribunal de Contas do Estado). Na representação, a parlamentar apontou que, embora a prefeitura vá repassar R$ 121,79 milhões à Unitau nos próximos cinco anos, a universidade prevê encaminhar apenas R$ 104,08 milhões à Fust, que é quem executa as ações no ensino integral.

O valor do convênio (R$ 121,79 milhões) é superior ao gasto que o município teve desde 2013 em duas parcerias com a Unitau - a antiga do ensino integral e a das creches, que somam R$ 112 milhões. O gasto com salários será de R$ 51,42 milhões em cinco anos. Como esse tipo de convênio não permite taxa de administração, todo o restante (R$ 70,37 milhões) teria que ser referente a encargos trabalhistas, despesas administrativas e aquisição de materiais..

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO