São José dos Campos
20º / 26º
No decorrer do dia o dia terá com variação de nebulosidade na região.
Economia
Julho 18, 2017 - 00:37

Na contramão nacional, Vale perde mais de 1.600 postos de trabalho em junho

Bolsa Família GM e acidentes

Linha de produção. Metalúrgicos durante a fabricação de automóveis na fábrica da GM (General Motors)

Foto: Divulgação

Criação de vagas de emprego em abril e maio ficou comprometida com o desemprego em junho, contribuindo para o saldo negativo de 3.798 postos de trabalho cortados no primeiro semestre de 2017; dados são do Caged

Xandu [email protected]

A Região Metropolitana do Vale do Paraíba perdeu 1.613 empregos formais (com carteira assinada) em junho deste ano e interrompeu dois meses com geração de novos postos de trabalho --maio (679) e abril (1.129).

Os números foram divulgados nesta segunda-feira pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho e Emprego. Com os cortes, a RMVale vai na contramão do país, que abriu 9.821 novos postos em junho. No acumulado do ano, o saldo alcançou 67.358 vagas de emprego abertas.

No primeiro semestre deste ano, a região perdeu 3.798 postos de trabalho em todos os setores da economia, com destaque negativo para o comércio, que acumula 3.183 vagas perdidas de janeiro a junho.

Os outros três grandes setores também cortaram vagas: indústria (-1.011), serviços (-547) e construção civil (-462). Quem mais gerou empregos foi a administração pública, com 1.386 vagas no semestre.

No ano, além de abril e maio, a região também gerou vagas em fevereiro (330), mas perdeu postos de trabalho em janeiro (-2.185) e março (-2.228). "A indústria tem grande importância no emprego da região. Quando fecha, impacta outros setores", disse o economista Edson Trajano.

CIDADES.

Das três maiores cidades do Vale, em junho, apenas Taubaté criou empregos: 266, mas com saldo de -121 postos de trabalho no primeiro semestre. Com o bom resultado no mês de junho, a cidade saiu da 330ª para a 105ª posição no ranking paulista do emprego, que traz os 370 municípios paulistas com mais de 10 mil habitantes.

SÃO JOSÉ.

São José perdeu 1.019 vagas em junho, o pior resultado do ano, ganhado de março (-825). Neste ano, o município acumula fechamento de 1.526 postos de trabalho. No ranking estadual, o município saiu da 362ª para a 339 posição em junho. Jacareí cortou 205 vagas em junho, também o pior resultado do ano, e fechou o primeiro semestre com -115 postos de trabalho. A cidade está na 110ª colocação do ranking paulista.

Metade das cidades da RMVale gera emprego, mas com saldo insuficiente

Das 39 cidades da RMVale, 20 conseguiram gerar emprego no primeiro semestre de 2017, alcançando saldo acumulado de 2.060 vagas abertas em seis meses.

Entre esses municípios, os que mais criaram vagas de janeiro a junho foram Campos do Jordão (366 empregos), Guaratinguetá (254) e Pindamonhangaba (252).

No entanto, o saldo é insuficiente para fazer frente aos outros 19 municípios que perderam vagas no primeiro semestre: -5.858 vagas. Estão neste grupo as três maiores cidades da região: São José (-.1526) --recordista de desemprego na região--, Taubaté (-121) e Jacareí (-115), além dos quatro municípios do Litoral Norte: Ubatuba (-1.301) e Caraguatatuba (-1.007), São Sebastião (-583) e Ilhabela (-318). "Não vejo melhora no curto prazo", disse o economista Edson Trajano.

Publicidade
Publicidade
Publicidade  
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

BRASIL

MUNDO